O Governo de Minas, por meio da Defesa Civil de Minas Gerais e da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (SEDESE), iniciou, nesta terça-feira (28/4), a entrega de 5 mil cestas básicas para povos e comunidades tradicionais no Estado, que se encontram em situação de extrema vulnerabilidade, devido à pandemia do Coronavírus.

A primeira entrega foi realizada em Ribeirão das Neves. Nos próximos dias, serão contempladas as cidades de Januária, São João das Missões, Santa Luzia, Janaúba, São Francisco, São João da Ponte, Itacarambi, Bonito de Minas, Brasília de Minas, Diamantina, Bias Fortes e Teófilo Otoni.

As cestas alimentares serão distribuídas, inicialmente, a quilombolas, indígenas, ciganos, circenses e vazanteiros. Hoje, em Minas Gerais, já são reconhecidos 17 segmentos e povos tradicionais, como os apanhadores de flores Sempre Viva, artesãos de barro e tecelãs, catingueiros, congadeiros, extrativistas, faiscadores, garimpeiros, geraizeros, indígenas e pescadores artesanais.

Coordenador Adjunto da Defesa Civil de Minas Gerais, o Tenente-Coronel Flávio Godinho explicou como foi feito o procedimento para o repasse da ajuda humanitária. “A Sedese mapeou, dentro de Minas, todas as comunidades que têm o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) baixo e que precisam dessa ajuda. Depois, a Defesa Civil entrou com a ação de logística, transporte e entrega dessas cestas básicas. É um trabalho que teve planejamento e, agora, a prática”.

Na semana passada, 2 mil cestas básicas já haviam sido entregues pela Defesa Civil de Minas Gerais em Montes Claros, no Norte de Minas, para famílias que precisam de ajuda neste momento, por causa do Coronavírus.